Fábrica de Chocolates Garoto - Fantástica apesar de tudo



Quando eu era criança o Gugu fazia um sorteio incrível que toda a platéia queria ganhar. O prêmio era uma viagem para a Fábrica de Chocolates Garoto, em Vila Velha. Eu, senso de quão insignificante eu era nenhum, pensava: "Que palha (pois é!), quem vai querer ir pra Vila Velha?". Mas eu moro em Vitória, dez, quinze minutos lá estou eu, de frente pra tal fábrica. E óbvio que eu achava esse o sorteio mais bobo do mundo.
Esquecia eu que visitar uma fábrica de chocolate é sonho para 99,9% das crianças, fez o pequeno paraguaio de "A fantástica fábrica de chocolates" falsificar o papel dourado só pelo prazer de visitar o Willy Wonka.
A nossa fábrica de chocolates foi fundada em 16 de agosto de 1929 pelo alemão Henrique Meyerfreund. Ele fazia balas que eram vendidas por meninos e que logo passaram a ser chamadas balas garoto. Os chocolates chegaram logo, em 1934. A fábrica tá de aniversário, 75 anos, nada mal.
Ser quase vizinha da Garoto tem uma sabor especial: significa que eu sou quase vizinha da casa do serenata.
Um dos meus bombons preferidos (porque eu gosto de muitos, mas não de todos), o Serenata de Amor tem 55 anos, o bombom mais antigo da garoto. É, nas palavras deles, um "bombom bola com recheio à base de castanha de caju, envolvido por uma camada biscoito waffer e coberto com uma camada de chocolate ao leite". Nham. Um bombom com técnica, que pode ser comido a mordidas que contenham todas as camadas, ou, como sugerem os especialistas, por partes, primeiro o chocolate, depois o biscoito e depois o recheio delicioso, bem devagarzinho...
É o carro-chefe da Garoto, sem dúvida. Com a confusão vende-não vende pra Nestlé, o Helmut Meyerfreund, um dos últimos donos, choramingava que o que mais o preocupava era o destino do bombom, ele não queria perder o seu serenata.
Pois quase perdeu antes mesmo da confusão. Há uns quatro, cinco anos uma pesquisa foi feita em São Paulo que aprovou um novo serenata, com recheio de amendoim. O serenata do mundo bizarro vinha envolto num plástico mais transparente e brilhante, mas era bem pior que o original vovô dos bombons. Foi uma furada, porque o mercado de São Paulo não representou o gosto brasileiro, e o serenata nova geração durou pouco. Ainda bem.
É esquisito, mas eu nunca fui na visita oficial da Garoto, apesar de ser bem fácil. Nunca me animei o suficiente. Muito provavelmente é por preguiça. Mas eu prefiro pensar que é por medo de me decepcionar. A fábrica de chocolates Garoto certamente não chega aos pés da Fantástica fábrica de chocolates. Então eu decido agora: não é por preguiça. É por respeito. E questão de tempo, claro. Dia desses eu acho o papel dourado...

RECEITAS:

Pavê de bombom Serenata
Rendimento: 10 porções


Ingredientes:
2 latas de leite condensado
2 xícaras (chá) de leite
4 gemas
4 colheres (sopa) de maisena
1 colher (chá) de essência de baunilha
1 xícara (chá) de chocolate em pó
10 bombons Serenata de Amor
1 xícara (chá) de creme chantilly

Modo de Preparo:
Leve ao fogo o leite condensado, o leite, as gemas, a maisena e a essência de baunilha, mexendo sempre até engrossar. Separe em partes, e adicione o chocolate em pó a uma delas. Despeje o creme de chocolate em um refratário e leve à geladeira até endurecer. Coloque os bombons picados e cubra com a outra parte do creme. Coloque o creme chantilly, salpique chocolate raspado e leve para gelar por 3 horas.

Nenhum comentário: