Sobre o self-service

Dia desses uma colega veio falar que, se ficar rica, nunca mais come em self-service. Isso porque é lá que as pessoas esquecem alguns princípios básicos da educação, higiene e, enfatizou, da gentileza. Eu não gosto de self-service por outros motivos. O sistema eu também não odeio, como ela, mas não acho dos melhores. Mas quebra o galho, claro.
O problema mesmo é a variedade. Ela confunde. Dá indecisão. Ela faz as pessoas cometerem crimes odiosos, que eu vejo e sofro, e não falo nada, não posso, não tenho nada a ver com isso. Empadão com feijão. Lasanha com sushi. Mamão com comida. Macarrão e arroz e polenta e farofa. Peixe e frango e carne de boi e de porco. Qualquer coisa com quejo ralado. Faz mal. Só pode. Mas o povo come, gosta, se empanturra. Ignora toda e qualquer regra de harmonização e manda ver, quanto mais melhor.
Eu me revolto, sofro, mas não falo nada, não posso, não tenho nada a ver com isso. Tomara que isso um dia não vire câncer...

Nenhum comentário: