James Bond e seus martinis

Recentemente eu fiz um curso de bartender. Então confesso que, apesar de gostar bastante das sagas do agente secreto mais legal de todos os tempos, só queria ver o novo filme do James Bond - 007 Cassino Royale - pra conferir como ele ia pedir o dry martini.
O dry martini é um belo coquetel. É forte, seco, gelado, chique. E um clássico, um Channel, uma música do Miles Davis. E, exatamente por isso, é um tanto polêmico. Hemingway até falou um dia que se você se perder na selva africana não precisa se desesperar. É só preparar um dry martini que em menos de 5 minutos vai aparecer alguém dizendo você está fazendo errado.
Os puristas só aceitam a combinação de gin, vermute e azeitona, e torcem o nariz para invencionices como o martini de chocolate ou o dirty martini (super Sex on The City). Ninguém ficou satisfeito com a troca do gin pela vodca que veio junto com o Bond de Pierce Brosnan. Aliás só não reclamam do jeito que o agente secreto pede o coquetel ("batido, e não mexido", o contrário do que manda a regra) porque ele costuma manter a receita original.
Aí o novo James Bond, o feio bonito Daniel Craig, já chegou arrepiando os cabelos de fãs mundo afora ao sacanear a frase dita nas telonas pela primeira vez em Goldfinger (1964) pelo melhor James Bond de todos, Sean Connery. Durante um decisivo jogo de poquer, no auge do stress, vem o barman e pergunta se Bond quer seu coquetel batido ou mexido, ao que ele responde: "Eu tenho cara de alguém que se importa com isso?". Divertido.
A mistura etílica que tem mais vez em Cassino Royale tem jeito de que derruba até touro. Bond inventa um coquetel com 3 partes de gin Gordon's, 1 de vodca e meia de Lillet Blanc, batido com gelo e servido com um twist de limão. Batiza de Vesper em homenagem à bond girl Vesper Lynd. E diz a ela que é porque "Depois que você prova, não quer saber de outra coisa". Um sensual.
Aí já era. Aposto com você que nesse extao momento uma garrafa de Lillet Blanc deve ser artigo raro: os bartenders devem ter feito o estoque para agradar os fãs da série. Se James Bond bebe, todo mundo quer também.
Bom, quase todo mundo. Daniel Craig, o primeiro Bond loiro da história, diz que até topa um martinizinho, mas prefere mesmo é uma Guinness. O cara nasceu em Liverpool, fazer o quê?!

Nenhum comentário: