Neo-cantina pra neo-paulista ver

Eu estava cansada das cantinas. Elas são uma instituição forte em São Paulo, as cantinas. Ali no Bexiga (que aliás é o apelido do bairro Bela Vista, sabia?) dominam as paisagens, disputam os transeuntes, atraem os turistas desavisados com seu cheiro bom e barulho exagerado.
Eu, neo-paulista que sou, achei melhor conferir logo o fenômeno. Fui a duas cantinas, comi bastante, ouvi tarantella e bandejas sendo jogadas no chão de propósito, paguei mais caro do que gostaria, dei o proceso por encerrado. Com uns seis meses de São Paulo, eu estava cansada das cantinas.
Aí chegou em casa o Especial Comer e Beber da Vejinha paulista, com capa brilhante e tudo. E vi, no meio de trocentos restaurantes, um chamado Pasquale, que me ofereceu comida de Puglia a preços módicos. Optei por ignorar o fato de que a casa tinha levado o título de melhor cantina, e fui, em pleno sábado após a premiação.
Tinha fila de espera na chuva, claro. Mas logo arranjamos um cantinho no bar, nos abastecemos de vinho e antepastos deliciosos e esperamos mais alegres, entre tintins, abobrinhas grelhadas e uma burrata com centro indecentemente cremoso. Com tempo, deu até pra reparar no teto do restaurante, todo coberto de rolhas de vinho enfileiradas, um trabalho danado que dá efeito idem e abafa o som do conversê.
Enrolei orechiette em queijo de cabra durante a refeição, e me lembrei da minha casa-relâmpago lá em Lecce, Puglia, onde a mãe da minha anfitriã abria macarrões em forma de orelha com pedaços de arame.
Nem precisava, mas ainda tinha sobremesa. E jamais houve sobremesa como aquela. Um bolo de chocolate com recheio e sorvete de damasco que devia ser simples e bobo, e é uma fonte de alegria que vem durando até hoje, e já estamos na quarta.
Êita cidade complicada essa São Paulo. Quando a gente acha que acabou, tem mais. E com tanta novidade, que horas a gente volta na nova cantina preferida?


5 comentários:

Melissa S. disse...

Feliz de mim que fui sua comparsa nessa transgressao paulista :)

Maria disse...

Acredita que também passei por lá no sábado??! Mas a fila de 40 minutos me deu uma preguicinha de quem ainda não estava com fome... Mas agora que li seu post é que volto mesmo!

Beijo!

joana pellerano disse...

Maria, vai sim! Aliás, se quiser companhia...
Mel, volta! :o)

Maria disse...

Eu topo uns programas gastronômicos! Com direito a caderninho de anotações!! ;)

Judy disse...

Bexiga ou Bixiga não é apelido da Bela Vista, não. O nome é antiqüíssimo, da época da escravatura. Muito depois, na divisão da cidade em distritos, o Bixiga ficou no distrito da Bela Vista.

Lá tem umas cantinas que aff... melhor não descrever...