De partida pra Belém

A viação aérea Azul ouviu meus pensamentos e lançou o Passaporte Azul, que permite ao pobre mortal viajar quantas vezes quiser em um mês pagando uma taxa única de R$ 499.
Fiquei aqui sonhando com quantas coisas legais eu poderia fazer com um desses na mão. Pra começar, eu ia correndo pra Belém. Uma vontade de ir pra Belém que você nem sabe. Eu ia explorar o Ver-o-Peso, provar tucupi, arrumar um preparado de mandingueira pra espantar o mau olhado, tomar suco de fruta e, se bobear, até comer açaí.Daí ia visitar o Paulo Martins, que dizem estar doente. Levar um sorriso, sabe como é. E aproveitar pra passar no Lá em Casa, cuja propaganda boca a boca entre os gastronômicos de São Paulo é fortíssima. Comer um tucunaré, arroz com jambu, pirarucu, tapioca, tambaqui. E mais tucupi, com pato. Tomar um picolé de fruta por dia e sair depois de um mês deixando sabor por provar.De lá, pulava no Rio (Roberta Sudbrack que me aguarde!), Belo Horizonte ver a amiga, Porto Alegre, quem sabe Manaus? Um plano bom, eu acho. E pensar que só me faltam as férias e o cartão de crédito mágico que nunca cobra...



2 comentários:

Melissa S. disse...

Quero ir pra Belém tb!!!

Maria disse...

Tô na torcida!!