Quer ser cozinheiro?

A chef Roberta Sudbrack vira e mexe revela o quão difícil é a vida na cozinha pelo Twitter. Horas em pé, clientes malcriados, calor do fogão: ela conta tudo, arrematando com um "quer ser cozinheiro?". Recentemente, transformou o alerta aos que acham que a vida na cozinha é moleza em desabafo no seu blog.
Com tanto chef por aí, estrelando programa de tv, escrevendo livro e saindo na coluna social, ou seja, dando um ar novo à gastronomia, tem gente esquecendo que a profissão de cozinheiro é bem antiga, e que deve haver um motivo forte para que ela nunca tenha sido tão popular assim...
Chefs famosos e cozinhas televisivas não são exatamente novidades. Enquanto padronizava os métodos tradicionais da culinária francesa há mais de cem anos, Escoffier emprestava a fama das celebridades da época batizando pratos com seus nomes (a sobremesa Pêssego Melba, por exemplo, homenageia a cantora lírica Nellie Melba). Julia Child ensinou os americanos que cozinhar era mais que abrir latas em um estúdio de TV. Entre 1970 e 1990 não tinha dona de casa que partisse para o almoço antes de conferir as receitas do programa da Ofélia.
Mas de uns anos pra cá as velhinhas simpáticas da TV deram lugar a uma geração de chefs bonitões, tatuados e com atitude de astros de rock. Somadas às atraentes imagens dos apresentadores, closes de ingredientes coloridos e suculentos deixam o telespectador com água na boca e encorajam até os mais preguiçosos a dar um pulinho da cozinha.
Cozinhar virou pop e o chef tornou-se uma espécie de embaixador de todo esse ambiente mágico e delicioso. Esse pseudoglamour vem incentivando uma corrida para as faculdades de gastronomia.
Mas vale lembrar que cozinhar não é só felicidade: é lavar prato, cortar o dedo, queimar a sobrancelha, perder o almoço de Dia das Mães. E nem por isso saber cozinhar – havendo um diploma que confirme o fato ou não – faz alguém automaticamente virar chef de cozinha. Um chef não nasce de um dia para o outro, assim como ninguém sai da faculdade de administração um CEO.
A vida do cara que salteia cenouras em frente às câmeras pode até ser boa, mas certamente não brotou do nada. Basta contar as vagas disponíveis de popstar...

2 comentários:

Li disse...

Sou cozinheira e preciso de ajudantes !!!! Gente que ame estar na cozinha!!!! Gente que respeite os ingredientes e o trabalho a ser feito!! Alguém????

joana pellerano disse...

Sorte de quem quer cozinhar e tem a chance de trabalhar com apaixonados como a Li!