Vou-me embora para Cocanha...

Era uma vez um país em que todos eram livres. Para preguiçar embaixo do coqueiro, namorar quem bem entendesse e aproveitar a comida boa, que ficava à disposição em terra, mar e ar, bastava abrir a boca. Mas não é nada fácil chegar lá. O país fica escondido, ou muda de lugar, e por isso quem encontra não deve fazer a besteira de partir.
A Cocanha entrou na carta geográfica mundial na Idade Média. Numa época em que tudo era fome, injustiça e preconceito, o mito dessa combinação de casa da bruxa de João e Maria com ilha de Lost povoava os sonhos das gentes com promessas de abundância, ociosidade, liberdade, juventude eterna. Daí pra cá, muitos buscaram sem encontrar, adaptando a descrição desse paraíso libertino a seu bel prazer.
O mito surgiu, diz-se num fabliau francês do século XIII. Explica-se aí que Cocanha tem telhados de toucinho, cercas de salsicha, campos de trigo cercados de carne assada e presunto, gansos que se assam sozinhos pela rua e riachos de vinho (metade tinto, metade branco). Lá quem mais dorme mais ganha, tem feriado e domingo todo dia, quatro carnavais e natais por ano, quaresma só a cada duas décadas.
As histórias seguem, com muitas similaridades entre si, até meados do século XX. Depois a Cocanha saiu dos guias de viagem imaginários, o que é curioso. Se não acreditamos mais em uma terra onde a sobrevivência é incrivelmente facilitada, acho eu, é porque não precisamos mais disso.
Será o caso? Não é o meu, e por isso eu me recuso a acreditar que já não tem Cocanha. Esse país de sonho existe, saibam vocês. E um dia ele fará parte do meu endereço, assim: Joana Pellerano, Rua do Queijo com Goiabada, 15, Cocanha. E vocês todos podem ir me visitar no feriado.

6 comentários:

Isaura Caliari disse...

Adorei, Estou feliz em ver seus artigos, eu vou visitar vc em Cocanha, não tenha duvida.
Parabens
beijos
Isaura Caliari

Joana Pellerano disse...

Ô, Isaura, quanto tempo! Será um prazer enorme encontrá-la por lá :)
Beijo.

Ana Franco disse...

Favor me visitar na Rua do Pato com Maçã, ao lado da Praça das Delícias Geladas :)

Joana Pellerano disse...

Ana Franco, você é vizinha! :)

Nando Ferreira disse...

Estou pensando em levar a seleção de futebol do meu país imaginário, a Ferlândia, pra jogar com a seleção local de cocanha, mas será que acharemos o tal país, que como vc mesma disse, muda de lugar e nao é fácil de achar?

Joana Pellerano disse...

É Nando, não vai ser moleza. Mas prometo ficar de olho e te avisar sobre potenciais partidas.