Grilos e larvas no almoço


Não sei se contei a vocês que sou coordenadora da pós-graduação em Gastronomia: História e Cultura do Senac São Paulo, unidade Aclimação. E acabei de colocar os alunos em uma baita saia justa...
Não é todo dia que alguém tem a chance de almoçar grilos e larvas. Mas em 19 de maio foi a nossa vez. Essa refeição de dar inveja (?!) aconteceu na primeira Vivência da pós,  que visa proporcionar aos alunos uma experiência gastronômica articulada ao escopo dos estudos da alimentação.
Explico: o objetivo do curso é aliar as discussões que acontecem em sala de aula a experiências que ampliem e fomentem novas reflexões. Nessa primeira Vivência do curso queríamos mostrar aos alunos como o conceito de ‘comestível’ pode ser flexível no âmbito da cultura. Para isso, contamos com a ajuda dos alunos do curso de extensão universitária Cozinheiro Chefe Internacional do Senac Aclimação.
O dia começou com a palestra “O estranho na moda”, com a jornalista Silvana Holzmeister, autora do livro de mesmo nome editado pela Estação das Letras e Cores. Em seguida o chef Alberto Landgraf, do Epice, falou aos alunos sobre sua experiência de servir ingredientes pouco usuais no menu-degustação de seu restaurante.
Enquanto isso, no laboratório-cozinha, os alunos do CCI venciam preconceitos ao fazer a mise-en-place e o preparo da degustação sob o comando de Leonardo Fonseca, coordenador pedagógico do curso.
Na hora do almoço os alunos do CCI apresentaram suas criações à turma da pós. O cardápio da degustação incluiu Vinagrete de orelha de porco, Moela de Buteco, Coelho ao molho de mostarda, Testículos do Major Mário (salteados na manteiga com pimentões e páprica), Rã à milanesa, Rim do Padre (cubos de rins braseados no vinho), Grilos crocantes salteados com shoyu e Larvas salteadas na cachaça.
A reação dos alunos foi muito positiva e o evento, um sucesso. Quase todos comeram tudo. Eu comi, porque não ia perder uma oportunidade dessas. E porque não ia conseguir fugir com 22 pares de olhos observando se eu ia mesmo provar de tudo.
Hoje eu sei que grilo tem gosto de amendoim e que a larva ficou levemente crocante por fora, revelando um interior mais macio, suculento, seu sabor adocicado realçado pela cachaça. Quem mais pode dizer isso?

Ah, ficou curioso com a pós-graduação em Gastronomia: História e Cultura do Senac São Paulo? Entra aqui. Quem sabe não nos vemos no ano que vem?

Nenhum comentário: